segunda-feira, 28 de abril de 2014

A Bonita História de Gobegnu – Parte 2



A Bonita História de Gobegnu – Parte 2

(Se voltasse a escrever a primeira parte agora certamente seria diferente. A distância temporal leva-me alguns pormenores, mas sedimenta quase 5 anos, em que a memória e as memórias de África vão amadurecendo e ganhando novos sabores. Tenho saudades e apetece-me escrever. E enquanto ganho forças para escrever sobre o Afeganistão para mais tarde se tudo correr bem, escrever sobre a Síria, viajo na minha mente para completar esta história que me marcou pela beleza de um ser humano, condimentada por aquela que até hoje foi a viagem da minha vida.)

Após 4 meses no Congo, a trabalhar arduamente, a minha intenção era trabalhar mais 2 meses para os Médicos Sem Fronteiras, se possível num lugar bem diferente, estava com ganância de viver, de conhecer, de compreender, de dar o meu trabalho em troca de obrigados e lições de vida.... Passaram-me hipóteses de Paquistão e Iraque, que não se concretizaram, para grande tristeza minha, estive quase, quase de bússola apontada para a Libéria, e muito entusiasmado por tal, mas entraves burocráticos na altura ditaram o fim dos meus serviços para os Médicos Sem Fronteiras, em 2009. Alternativa?? Viajar 2 meses por África! Que chatice ;) !

Não tinha medo de nada a não ser da minha ignorância e queria engolir o mundo..... Não tinha planos, nem livro-guia, nem internet..... Tinha a mochila às costas e voo marcado de regresso de Kigali para Europa, e 2 meses pela frente. Atravessar a fronteira do Congo para o Ruanda é como sair de uma prisão e ver as gigantes portas a bater atrás de nós, deixando um enchurrilho de emoções para trás..... e agora à aventura, a respirar ar livre, sem guerra.....

Igreja de Saint George em Lalibela
Se eu me perdesse aqui a contar estes 2 meses, em que cada viagem de autocarro, cada táxi, cada pensão..... são aventuras dentro da aventura e perdia páginas e páginas de momentos apaixonantes..... Andei com os Gorilas no Ruanda, percorri a Etiópia de norte a sul, deslumbrei-me na costa do Quénia, fiz um Safari de sonho, subi o Kilimanjaro, e fiquei hipnotizado em Zanzibar, para depois acabar num dos recortes mais bonitos do planeta, Victoria Falls! E apesar de tudo e tanto que vi e vivi, foi no sorriso da Gobegnu que para mim África teve o seu momento apoteótico. A garra, a alegria, a simpatia, a doçura, a força e vontade de viver, como eu nunca tinha visto, tudo junto tão puro e tão genuíno apenas num ser-humano..... o que me leva a querer reviver estes dias e contar-vos esta história.

Depois do jantar, em que quebrei as minha regras de viajante de “pé descalço” e me presentiei com um bom jantar num bom hotel com a Gobegnu, porque se eu achava que merecia, tinha a certeza que ela muito mais. Fui deixá-la a casa era ainda muito cedo.... Procurei um barzinho a ver se animava e lembro-me que bebi uma espécie de licor local a saber a mel, bastante estranho, mas eu estou por tudo.... O barzinho estava animado, mas eu não estava com cabeça para aquilo, sentia que não podia ter um tecto, as minha ideias precisavam de respirar.... e fui como quase sempre nesta viagem; sozinho e sem rumo.... À noite em África o silêncio assombra-nos e ouvimos o nosso coração a bater como se fosse o pulsar do centro da terra, ecoando num céu escuro e infinito..... E assim eu vou pelas ruas de Lalibela.... quando ouço uns cânticos bizarros vindos de uma das igrejas, todas elas abaixo do nível do chão, dando a sensação que há vida no sub-solo..... Claro, ávido pela descoberta, aproximo-me e os cânticos vão ganhando forma, há muitos uivos e danças com contornos tribais..... Aproximo-me com algum receio, pois a intensidade do momento, faz transparecer alguma exclusividade, e a minha presença estranha, não merece por parte dos locais qualquer reacção como se estivessem num estado de transe.... Subo a um muro da Igreja para ganhar na perspectiva, e timidamente tiro a minha câmara fotográfica.... mas percebo que está muito escuro, e das fotos não há qualquer esperança que possam retratar o que estou a ver muito menos a sentir..... Uma cerimónia nocturna cheia, cheia de gente, vestidos todos de branco envoltos na escuridão e algumas torchas na parede.... dava-me jeito ter um guia que explicasse, mas a espectacularidade da incompreensão aguça a minha atenção.... A espiritualidade sente-se no ar, e percebo facilmente que aqueles cânticos, gritos, uivos, pretendem chegar ao céu.... Contemplo os batuques a alternância de intensidades, e arrepio-me nos momentos mais altos da noite..... Era a celebração de uma santa, com significado importante para a cidade e estes rituais nocturnos dos mais importantes desta cidade que respira crenças e devoções de um povo, todo ele cegamente devoto a Cristo..... muito intenso.
Vou para casa, contente e relaxado, e a pensar como é possível viver tanto e tão intensamente, quebrando tantos paradigmas da minha cabeça. E ainda tenho mais dois dias de Lalibela pela frente.

Igreja construida na escarpa da montanha
A Bíblia colorida
Mais um dia, mais milhares de aventuras.... Tomo um grande pequeno almoço, porque nestes sítios nunca se sabe muito bem quando vamos comer outra vez, e começo a andar a pé, sozinho pelas montanhas fora, na procura de mais um aglomerado de igrejas que fica fora da cidade a cerca de 15 kms, e eu vou sem pressas, ao sabor das minhas vontades..... Andar, andar, andar... maravilhado... maravilhado pela paisagem, pelas pessoas, pelas aldeias que vou passando, pela paz que me rodeia, até que chego ao local que procurava. Uma reentrância brutal numa montanha rochosa, cheia de vegetação, com pássaros exóticos de várias cores.... um caminho sinuoso pelas pedras leva-me até à Igreja onde encontro alguns sacerdotes, de sandálias e vestes brancas e vão me mostrando várias peças incríveis de arte sacra, gravuras que contam lendas, e uma bíblia em tamanho gigante super colorida...... A igreja era incrível, escavada para dentro da escarpa, mas depois de ver as de Lalibela o que me capta a atenção é a envolvência, o cenário digno de um filme..... Deixo umas moedas pois este local merece ser conservado..... e preparo-me para voltar calmamente.... sempre sem pressas, sem rumo.... Quando estou quase a chegar a estradinha que me levou até lá, um casal de Etíopes, aborda-me dentro de uma pick-up moderna.... .não estava mais ninguém à volta. O homem diz-me que vão visitar uma igreja a uns 30-40 kms de viagem, e perguntam-me se eu lhes queria pagar para ir com eles.... Já tinha visto igrejas suficientes.....mas......adivinhem?? Aceitei. Negociei por alguns euros, e a vontade de ver mais e mais e mais levou-me a entrar para aquele carro, e sentir-me no meio daquela paisagem montanhosa, dentro da Etiópia profunda, bem longe das rotas turísticas é simplesmente fantástico! Nem tudo são rosas, o velhote que tomava conta desta igreja queria me cobrar a mim e não aos etíopes, por não ser um deles..... Não achei piada à descriminação e fiquei cá fora à espera.... mas ele queria o meu dinheiro de qualquer maneira e disse-me que tinha que pagar só por estar cá fora.... isto já com um miúdo de para ai 12 anos a traduzir, enquanto o casal contemplava a igreja.... mas disse que não pagava..... a minha motivação para não alimentar aldrabices em África podia-me levar a discutir o dia todo só para não lhe dar 1 euro! O velhote também estava bastante motivado J , e ameaçou-me com um ferro, se eu não me fosse embora..... e eu apenas à espera do casal para a minha boleia de volta..... disse ao velhote que ele não era um bom cristão e que ia para o Inferno J.... alto argumento, hein? Momentos engraçados.....
Gobegnu na sua lojinha a preparar a cerimónia do café

De volta a Lalibela, de janela bem aberta, como se fosse um cão, para que não houvesse nada entre os meus olhos e as maravilhas que me rodeavam.... E como já tinha saudades daquela fonte de energia que era a Gobegnu, e queria também ver os meus emails de parabéns fui à loja da internet..... Até hoje me perco naquela magia só de lembrar, aquele sorriso com a alma, aquele olhar dócil e profundo que esconde uma guerreira que corre dia e noite nas estradas africanas sem ouvir os carros.... e que reagiu a todos os infortúnios transformando-os em ouro. Um coração que parece ter íman, que ilumina em seu redor..... que me inspira só por existir..... É incompreensível como é que de uma barreira linguística tão grande resulta uma comunicação tão agradável.... A internet, como sempre leeeennnntttaaaaaa! Cada click dá para 5 minutos de conversa, e só não desisto de me conectar com o meu mundo porque a companhia é única..... A Gobegnu, super hospitaleira, prepara tudo para fazer uma cerimónia do café, que tanto caracteriza aquele país..... .café fresquíssimo e maravilhoso, ervas e flores no chão e surpreendentemente pipocas!!! E o tempo passa, alguns amigos dela vão entrando e saindo.... e eu vou contando o meu dia, contando aquilo que vi..... ela parece perceber, pelo menos continua a sorrir e nunca se inibe de tentar comunicar....

O dia está a chegar ao fim, e ela convida-me para conhecer a casa dela, a amabilidade com que espontaneamente ela faz os convites, desarma qualquer um, torna-os irrecusáveis..... e eu vou sem pensar muito. Eu já suspeitava, mas tornou-se evidente..... uma família muito pobre, em que tudo o que estava naquela casa valia menos que a minha televisão, e todas as divisões onde viviam 6 ou 7 pessoas cabiam na pequena sala do meu apartamento.... Mas está tudo muito limpo e bem arrumado, e de imediato me oferecem o pouco que têm.... A avó muito humilde, olha-me fixamente como se fosse um extraterrestre e ri-se.... e eu riu-me também.... O que mais me marcou foi quando a mãe foi buscar um álbum de fotografias, que era uma espécie de "hall off fame" da carreira desportiva da Gobegnu, onde ela aparecia a competir, em estágios da selecção da Etiópia, e no pódio a receber medalhas... .que depois também me mostravam.... A Gobegnu, sentada ao meu lado enquanto eu folheava o álbum, emitia muitos sons na tentativa de me explicar o que se estava a passar naquelas fotos.... pouco percebia, apenas reconhecia quando ela dizia algo como “ abeba!”.... que estaria a referir a Adis Abeba...... envolvência comovente, brilhos de olhares que substituíam as melhores das conversas que já tive...... Havia uma pormenor que me intrigava, enquanto me apercebia do quão pobre era esta família..... Como é que a Gobegnu tinha umas sapatilhas Nike? Na Etiópia uma refeição num sítio turístico pode custar 2 euros, mas umas sapatilhas Nike, são mais caras do que na Europa..... Várias vezes, os miúdos na rua me pediam as minhas sapatilhas, porque a estes sítios pouco ou nada chega.... Perguntei à mãe, como tinha ela encontrado umas sapatilhas tão boas? E a mãe sorriu e disse-me que foi um turista que a viu a correr descalça e depois lhe enviou por correio as sapatilhas..... A Gobegnu sorri quando a mãe lhe explica por gestos do que estávamos a falar..... Uaaaauuuu...... que pequenino que eu me sinto: Surda, pobre, grande campeã, a correr descalça...... e com tanta alegria a cada suspiro. Volto para o hotel, na escuridão de África, radiante pela sorte que me tinha calhado nestes dias em Lalibela com a Gobegnu....

E ainda faltava um dia... Era Domingo, e a Gobegnu não trabalhava na sua Lojinha, e como tal fomos os dois subir ao pico mais alto de Lalibela. Fica a mais de 3500 metros de altura e destaca-se entre todos os outros picos que se vêem no horizonte.... e como não poderia deixar de ser, também lá em cima há uma Igreja, santuários e outros símbolos religiosos.... São 2 a 3 horas de subida de caminhos bem complicados com algumas partes até assustadoras..... A maioria das pessoas vão de burro e com guia, para poupar as pernas..... Mas eu tinha a minha guia privada..... diferente do guia ideal, mas eu não trocava por ninguém....

A meio da subida
Começamos cedo, compramos água e arrancamos antes que o calor intenso se fizesse sentir.... E vamos a subir lado a lado, a “conversar”...... é difícil explicar, nem sei como foi possível, mas foi e muito bem passado..... Sorrisos, sons, alguns gestos..... e miraculosamente íamos comunicando..... e claro, muitos momentos de uma mágico silêncio pleno de conteúdo..... À medida que vamos vendo a cidade de Lalibela a distanciar-se o horizonte de montanhas lindas vai crescendo à nossa volta.... e os caminhos vão nos trazendo muitos pedaços de África profunda, Etiópia profunda, cabanas de quem vive do que cultiva nas montanhas, e nos recebem com expressões alegres, crianças de cortes de cabelo a fazer lembrar as estrelas de futebol, com cristas, círculos ou triângulos na cabeça, mas cuja a “moda” vem das antípodas dos milhões da televisão, pois nesta fase o ponto de electricidade mais próximo já está bem longe.... Muitas viagens dentro da viagem, e a contemplar os diferentes lados de visão que a montanha nos vai oferecendo à medida que vamos subindo..... As pernas dão nos muitos sinais negativos, mas o coração não deixa a cabeça processar o cansaço..... o caminho é para se fazer e este mais do que nunca vale mais do que o destino, que é também incrível....

Gobegnu, com o topo da montanha já à vista
Há zonas da montanha, em que pouco mais de 2 ou 3 palmos temos para pôr os pés, e onde olhar para baixo já não é aconselhado, pedaços grandes do caminho que nos dão um friozinho na barriga..... é também nesta fase mais hardcore da subida, que ao começarmos a avistar a meta final, uns estranhos buracos na parede da montanha me chamam à atenção..... e paro a olhar..... E claro, a Gobegnu “explica-me”, que é o lugar onde alguns monges se retiram durante meses, sozinhos num buraco fechado com uma pedra, com uma pequena passagem só para água e comida...... já quase nada me surpreende, é outro mundo!

Finalmente chegamos à Igreja que bem lá de cima, vê uma dimensão de terreno lindo até perder de vista..... Mais uma vez, Igrejas já tinha visto muitas e mais interessantes, mas todas têm uma história, e é fantástico imaginar como terá sido feita esta construção neste local tão difícil de aceder e tão longe de toda a civilização..... Tenho sorte e sento-me ao lado de um simpático casal de americanos que claro subiu de burro e com guia, que num inglês perfeito, lhes explica todas as nuances do local onde nos encontrávamos..... e eu sem pressas, parasito estas explicações enquanto observo a Gobegnu, e a forma tão espiritual e religiosa de todos os seus movimentos, neste que é um símbolo tão importante da sua impenetrável fé! Os americanos, bem ao seu estilo com meia dúzia de perguntas e com as minhas respostas ficam imediatamente apaixonados pela Gobegnu, e saíram a ganhar nesta curta troca de experiências...... seguimos caminho e fico seguramente alguns minutos, parado, paralisado, maravilhado com o que estou a ver...... Como se a beleza da paisagem não fosse suficiente, há um grupo de monges de vestes brancas sentados numa gigante pedra arredondada que parece estar pendurada numa das arestas do cume da montanha, que em rezas permanentes, completam aquele que terá sido um dos frames mentais da minha vida..... Que mundo é este??? Que sorte a minha de o poder ver e tocar de tão perto.....

Monges de vestes brancas no topo da montanha
Mas ainda havia um extra.....este cume não era bem o cume, em boa verdade, havia que subir mais um bocadinho, de uma escarpa vertical cerca de 50 metros.... Há um miudinho que por tostões se propõe a me explicar por onde se sobe, e dando a volta à igreja o solo rochoso, vai se inclinando até ficar vertical..... A Gobegnu vem comigo, claro, mas há um certo ponto em que esta guerreira fica com medo, e faz o sinal que fica cá em baixo à minha espera..... e eu vou atrás do rapazito que até de sandálias faz esta escalada parecer fácil, mas não era..... temi pela vida..... mas fui subindo devagar, sem sequer imaginar o sarilho em que me metia se algo me acontecesse ali..... e enfim cheguei ao cume dos cumes... .recebido por macacos que aqui habitavam, esta plataforma que não teria mais do que 100 metros quadrados, permitia uma visão panorâmica de 360º puramente mágica, onde nos sentíamos um pássaro a voar.....

Calmamente descemos esta magnífica montanha até Lalibela, sempre a “conversar”..... Já não faltava muito tempo de sol, quando chegamos à cidade, e depois de um grande sumo de fruta, a Gobegnu, levou-me a um sítio para ver o pôr-do-sol, pois também Lalibela está por si só pendurada numa montanha..... todo este relevo, não é facilmente imaginável.... E aí estávamos a olhar para um gigante vale, com uma longínqua linha de montanhas na nossa frente, onde este super forte, quente, intenso e ardente sol africano se põe para delícia dos meus olhos.... .não há terra, nem céu, nem sol como em África e eu estava certamente num dos seus pontos mais mágicos..... com alguém que me inspirava como poucos me inspiraram na vida.... Pôr-do-Sol inesquecível....

Gobegnu
O tempo chegou ao fim! Voo marcado para o resto da minha viagem..... No dia a seguir de manhã estou com a mochila às costas pronto para apanhar o transfer para o aeroporto..... E está lá a Gobegnu..... já sabia que não ia ser fácil esta despedida.... os meus não sei, mas os olhos da Gobegnu falam, e naqueles momentos, em poucos segundos ela diz-me muita coisa..... e por momentos sinto o tempo congelado enquanto lhe tento dizer, por telepatia ou o que seja, o que lhe gostava de dizer..... Ela deixa cair algumas lágrimas, e retira o fio prateado que tem à volta do pescoço com um coração e põe-no na minha mão..... Não por mim, mas por ela, tenho medo do que as pessoas possam pensar, pois estava gente na rua..... mas abraço-a como muita força dizendo para mim “Até sempre!”e rapidamente entro na carrinha, porque odeio despedidas, olhando para trás uma só vez, para ver a incrível imagem que guardo até hoje da Gobegnu, linda no meio da rua, de olhos molhados a brilhar e a sorrir enquanto dizia adeus.....

E ai vou eu, sozinho nos meus pensamentos, a contemplar as minha memórias enquanto a estrada serpenteava o caminho até ao aeroporto....

Que ser humano tão bonito, que força, que doçura, que magia, que energia, que sorriso, que garra, que pureza, que determinação, que genuinidade e transparência...... um hino à vida!!

A minha ex-namorada foi 2 anos mais tarde à Etiópia e a Lalibela, e sem pensar muito comprei-lhe o mais que podia, para que pelo menos pudesse poder continuar a correr pela vida como tanto gosta..... e claro dei-lhe umas boas sapatilhas.... A descrição foi que se desfez em sorrisos, e claro hipnotizou quem os viu..... em troca enviou-me uma miniatura de espectacular Igreja de Saint George de Lalibela que com muito carinho guardarei para sempre....... para que nunca me esqueça da.....


.....bonita história de Gobegnu.....

sexta-feira, 18 de abril de 2014

A Bonita História de Gobegnu - parte 1

A Bonita história de Gobegnu

(É incrível, quando estamos a virar a casa do avesso ou a tentar que ela volte a ter alguma espécie de arrumação, as pérolas históricas que encontramos e relemos…. algumas delas muito dolorosas, mas sobre essas acho que não tenho a coragem de escrever…. Mas esta história, vale a pena, faz me reviver uma pessoa linda, e um sítio fantástico. Lembro-me perfeitamente de estar em Arusha na Tanzania, a escrever estes gatafunhos que agora encontrei sobre esta história fantástica, antes de ir sozinho para um inesquecível Safari…. bons tempos! E agora então transcrevo esta história inacabada ( não sei porquê) que tentarei acabar hoje.)

Chego a Lalibela no dia 30 de Outubro, véspera do meu aniversário de 29 anos. Lalibela, este incrível sítio no norte da Etiópia, estará provavelmente na lista dos locais mais impressionantes deste planeta. No meio duma lindíssima paisagem de montanhas, encontram-se as igrejas escavadas nas rochas, há cerca de 800 a 1000 anos, a mando do rei que mais tarde veio a dar o nome a esta vila/cidade. O primeiro europeu a pôr os olhos nestas magníficas construções terá sido um padre português de nome Francisco Alves, no século XVI, que relata nos seus escritos de viagens que não poderia descrever o que estava a ver, para não correr o risco de ser tomado como mentiroso....

Estou eu então, neste local super especial pela sua localização nas montanhas, pela sua riqueza histórica e sendo-se ou não crente, envolto numa espiritualidade que toca a todos.

Entro numa pequena lojinha, dentro de uma espécie de contentor, para ir à internet quando conheço a dona desta mesma loja..... Gobegnu, uma linda rapariga de 27 anos com um sorriso por demais acolhedor, que muito gesticulava e emitia uns sons totalmente incompreensíveis..... de imediato um amigo dela que estava na loja me diz que esta jovem é surda! Como médico, infelizmente já muito habituado ao sofrimento dos outros, não me impressiono mas obviamente que fico tocado.

Enquanto tentava ler os meus emails, nesta internet extremamente lenta, a Gobegnu por gestos e sons e com a ajuda do tal amigo conversa comigo e de alguma forma a comunicação é possível. Estando eu de calções e sapatilhas com ar desportista, ela pergunta-me se eu corro ou se gosto de correr, e eu de imediato respondo que sim. Pergunta estranha, mas o amigo explica-me que a Gobegnu é uma excelente atleta, sendo campeã da região norte e 2ª da Etiópia dos 1500 metros. Não percebendo muito destas modalidades, num país como a Etiópia com um sem número de campeões olímpicos, fico obviamente impressionado.
Conversa puxa conversa, sempre de uma forma muito pouco usual para mim, ela pergunta-me se eu quero correr com ela no dia seguinte..... Estando Lalibela a uma altitude de quase 3000 metros e num terreno muito acidentado, cheio de subidas e descidas, eu tento desde logo desculpar-me dizendo que estou habituado a correr à beira mar, a 0 metros de altitude e num terreno totalmente plano.

Mas respondo que sim, que seria um enorme prazer no dia dos meus anos partilhar esta corrida, com esta rapariga que me dava muitos sinais de ser um ser humano fora do normal.

31 de Outubro de 2009, achava eu que tinha combinado às 7:00 da manhã, quando alguém bate à porta do quarto do meu hotel, às 6:00. Dentro da cama pergunto: “quem é?” e não obtenho nenhuma resposta, ou não fosse ela surda. Vou à porta totalmente ensonado depois de ouvir pela segunda vez alguém bater à porta e vejo esta linda rapariga com o tal sorriso que mais uma vez me ilumina o coração e no seu traje de atleta, onde claramente dá para ver que aquelas pernas já correram muitos Kms. Tendo em conta que a comunicação era obviamente limitada entre nós, enquanto bocejava apenas lhe faço sinais dizendo que precisava de 5 minutos. E é assim que começo o meu dia de anos, na mística cidade de Lalibela, com a Gobegnu às 6:00 a sorrir para mim e pronta para me “matar” neste jogging matinal.

Lavo os dentes e a cara, ponho uns calções e umas sapatilhas e aí vou eu. Como muitos outros sítios em África, a vida para muita gente começa bem cedo com o nascer do sol e é lindo ver toda esta gente nos primeiros raios de sol. Talvez de especial na Etiópia e muito positivo na minha opinião é ver que muita gente faz desporto logo pela manhã.

Tal como combinado, o objectivo era evitar muitas subidas e descidas, o que era obviamente impossível. É incrível ver a gente, ver o povo bem de perto, olhá-los bem nos olhos enquanto o tempo vai passando e as pernas vão aguentando. Ver o sol nascer por trás das montanhas com mais de 3500 metros e contemplar esta paisagem única enquanto controlava a respiração. Íamos comunicando por sinais coisas simples sobre o que víamos e sobre o ritmo da corrida enquanto a Gobegnu me dava conselhos sobre a respiração. Após 1 hora desta que terá sido provavelmente a corrida mais incrível da minha vida, cheguei ao fim claramente exausto e com dores por todo o corpo e com a certeza de que esta minha nova amiga correu a um ritmo bastante mais lento que o seu habitual.


Depois de sozinho visitar pela segunda vez as espectaculares igrejas de Lalibela e ter passado umas horas bem espirituais e com muita introspecção no meu dia de anos, fui novamente à Lojinha da Gobegnu onde conheci a sua mãe que sabendo um pouco de inglês me explicou que a sua filha pelo que eu percebi terá tido uma infecção com 2 anos de idade que lhe causou a surdez para a vida.

Não sabendo como festejar o meu dia de anos, resolvo convidar a Gobegnu para jantar comigo. Quase sempre no meu dia de anos estou rodeado de muita gente, gente que conheço há muito tempo, família e amigos de quem eu gosto muito e que eu sei também que gostam de mim. Para muita gente o dia de anos não acarreta demasiada importância, mas eu faço parte do grupo de gente que gosta muito do seu dia de anos e que lhe atribui um grande simbolismo. Gosto muito de ter gente à minha volta, de festa, de risos, de muitos copos e diversão. 

Mas desta vez foi muito diferente, muito calmo, sem ninguém que esteja realmente ligado a mim e com esta rapariga super especial, mas com quem a comunicação tinha enormes barreiras. Ela lia muito bem os lábios na sua língua (Amarihgna) e conseguia compreender lendo os lábios algumas palavras em inglês, mas quando eu escrevi num papel em inglês, apercebi-me que o seu inglês era extremamente limitado. Restava-nos os gestos! Não sabendo eu nada sobre linguagem gestual, intuitivamente algumas mensagens conseguimos passar um para o outro. E assim foi o meu jantar de anos, recebendo também durante o dia alguns telefonemas daqueles que eu tanto gosto e de quem tanta falta sentia e ainda sinto. Que dia de anos tão diferente e tão inesperado....




No hotel onde jantei com a Gobegnu, tive ainda tempo para ouvir a típica música do norte da Etiópia com as suas extremamente particulares danças com movimentos principalmente dos ombros, mas também da cabeça e do pescoço... incríveis, difíceis de descrever e bem mais difíceis de imitar. Como quase todas as outras pessoas do norte da Etiópia também a Gobegnu sabia fazer estes incríveis movimentos com os ombros e com a cabeça. Mas o que de imediato me enchia a cabeça de perguntas era: Como é que se pode dançar sem ouvir a música? Como é que se pode sentir o ritmo sem ouvir? Não consigo de forma alguma responder a estas perguntas, mas o que é facto é que a Gobegnu conseguia e quem não soubesse jamais imaginaria que ela não conseguia ouvir a música ao sabor da qual estava a dançar....

(fim de escritos de 2009, em Arusha....mas história ainda por acabar)



Ocorreu um erro neste dispositivo